Páginas

17.5.11

Coração partido

Hoje de manhã fiquei assim, de coração partido!

O menino-feijoca têm andado a fazer umas belas birras para ir para a escola.
de inicio fiquei na duvida se algo se tinha passado na escola, com o tempo percebi que as birras se deviam a ter ficado uma semana em casa a quando a visita das avós.

mas agora acho que não é só isso.
sempre fui uma mãe presente, sempre fui eu que levei á escola fui buscar.
sempre fui eu que dei o banho, o jantar.
sempre fui eu que brinquei, que ri, que ralhei, que pôs de castigo.
mas agora isso mudou e a minha presença já não é tanta.
tenho uns horários muito complicados e o pai tomou o meu lugar.

sou sempre eu que vou levar o Afonso á escola, mas nunca sou eu que o vou buscar.
nos dias em que saio ás 20h, sou eu que dou o banho, e por vezes o jantar, mas não sou eu que faço isso todos os dias.
o tempo de brincadeira, risada entre mim e o Afonso diminuiu. nos dias em que saio ás 21h/22h, quando chego a casa o Afonso já esta a dormir.
e quando chego mais cedo, além de dar banho, jantar e ainda brincarmos o tempo é mais reduzido.
pois não sou a favor que as crianças se deitei tarde.

e todas essas coisas estão a afectar o Afonso, e hoje em conversa com ele de manha enquanto o vestia senti isso e fiquei de coração partido.
enquanto o vestia dizia-lhe que tinha que ir para a escola e se portar bem, que a mãe ia trabalhar.
e ele na sua inocência dizia-me coisas do género:

"mas eu não quero ir a escola, quero ficar contigo, vou trabalhar contigo que já sou grande"
"mama a mãe do júnior vai busca-lo á escolinha tu também me vais buscar?"
"mama eu vou para a escolinha mas tu depois não me vais buscar e eu fico la sozinho"

e aqui percebi que ele até vai a escola e fica bem, o problema dele é não ser eu a ir busca-lo, expliquei-lhe que estou a trabalhar e que eu levo e o pai o vai buscar a escolinha, mas ele voltava a dizer:

"mas eu quero que tu também vás, com o papa"

e pronto estou de coração partido, com vontade de o ir buscar e ficar o resto do dia agarradinha a ele.
não quero que o Afonso pense que o estou a abandonar, ou que não quero saber dele.
Amo o meu filho a cima de qualquer coisa deste mundo e quando vim para o Luxemburgo foi sem duvida a pensar no futuro que aqui lhe podia dar, mas nunca pensei que a mudança de rotina o afecta-se tanto.
e isto dói tanto, mas tanto por dentro.
Já pedi no trabalho outro tipo de horário, mas para já é impossível dizem eles, para mim é impossível agora e sempre.
queria tanto ter um horário normal, para poder continuar a estar com o meu filho como sempre estive.

4 comentários:

Mami ( Sónia ) disse...

Imagino bem como estás a sofrer por saber que ele anda assim.
Espero que consigas mudar o teu horário rápido para passares a ter mais tempo com ele.
Beijinhos

Diário da Matilde disse...

A vida é injusta, e custa tanto deixá-los

ai ai euromilhões onde andas tu :)

Beijinhos

Patricia disse...

Muita calma minha querida. que o novo horário venha rápido para que possam encontrar uma nova rotina melhor para todos. Bjs

anasantos79 disse...

Espero e desejo que consigas mudar o horário,vais ter mais tempo para ti e para ele principalmente!

Força e beijinhos