Páginas

8.10.09

noticias de cá e de lá



Hoje o meu dia foi para esquecer.


Como sabem trabalho no Lar da Santa Casa da Misericórdia de Santa Comba Dão, e idosos é coisa que não falta por lá, esta completamente lotado.


Á dias em conversa uma colega de trabalho dizia que já lá trabalhava á 18 anos, e que já tinha vestido centenas de mortos, e agora com o Outono com o cair da folha, iriam haver algumas. Até aqui tudo bem, se tiver que vestir alguém (que por norma escolhei as funcionarias mais antigas para o fazer), faço-o e tenho a certeza que isso é o menos, o pior mesmo e me assusta é ver alguém morrer e sentir-me incapaz de fazer qualquer coisa para o evitar.


E hoje sem eu contar, e sem nada o prever, no tempo máximo de 1 minuto, fiquei com uma idosa nos braços como morta, reagi da maneira mais natural possível, graças a Deus pouco depois a idosa começou a reagir, mesmo não tendo parado de gritar.


Mas juro vos foi dos piores momentos da minha vida, senti-me tão pequenina... estou com a língua toda mordida, porque foi o que fiz, para poder ajudar a senhora normalmente sem entrar em pânico e desatar a chorar... eu não nasci para trabalhar ali, cada dia que passa tenho mais essa certeza, é preciso ter sangue frio e eu não tenho, sou muito sentimental e aquilo mexe muito comigo psicologicamente... até a hora de eu sair a única coisa que consegui saber foi que a idosa tinha seguido para o Hospital de Viseu, com indícios de enfarte... estou de rastos.


































Do outro lado temos noticias diariamente, e hoje finalmente o J. chegou ao destino.


Desde segunda que saiu de Portugal, chegando á África do Sul só passado 12 horas, já sendo terça só hoje é que chegou a Lubango (antiga Sá da Bandeira), e tudo por causa do visto, que tiveram um dia á espera e só ontem á tarde é que foi entregue.


Se ontem teve um dia magnifico, aproveitando para fazer um safari, hoje diz que esta no fim do mundo...
















(Lubango - imagem retirada da net)

E novamente por aqui o meu feijoca continua um reguila, está o máximo, a dois dias de fazer 19 meses, todos os dias pergunta pelo pai, eu digo-lhe que foi ganhar tostão, e ele fica na dele.



3 comentários:

Cláudia disse...

Já trabalhei num lar (fiz estágio 2 semanas por mes durante 1 ano) tb da santa casa mas de valongo k é a minha terrinha, e sei bem akilo k falas...chegou mesmo a morrer um idoso de mao dada comigo na sala de reanimação do hospital! custou mt e ainda hoje custa kd me lembro arrepio-me toda, mas como ele vi outros mais morrer e a sensação é msm de impotencia. Ao contrario de ti gostei mt da experiencia de trabalhar num lar e se tivesse agr oportunidade de trabalho nessa area acho que trocava mesmo(agr sou administrativa). Mas sem duvida que é preciso ter coragem e sangue frio.
Força com o trabalho e com a ausencia do marido( tb sei bem o que é e o quanto custa...)
O tem-de-ser tem muita força né?

Beijinhos

Cláudia

Mãe e Pai Borboleta... disse...

Amiga força aí no trabalho...são ossos do oficio, como se costuma dizer! Jokinhas gandes...

Mafalda, Rui e Constança disse...

São situações difíceis, acho que também não conseguia, mas sendo esse o teu trabalho tens de ser forte.
Beijinhos